terça-feira, 20 de outubro de 2009

Uma verdade insistente.




Sabe quando você mente muito, que até sua mentira de tantas vezes contada parece verdade?
Pois é, você acaba convencendo a si próprio de algo que na hora possa ter sido mais capcioso no momento.
A mentira... Como descrever de uma forma verdadeira, analisando os dois lados da situação?
Por favor, não me venha dizendo que é um pecado mortal que todos contam, pois isso já se sabe desde que o homem é homem. Será que poderíamos dizer que a mentira é a expressão de sobressair inesperadamente “por cima” de algo aparentemente negativo?
Talvez não, isso seria grande de mais para que todos entendessem... E que tal: Mentira é o fato de contar vantagem imaginando algo que não ocorreu de fato? É acho que melhorou.
O certo é que existem todos os tipos de mentira, e a mais chata de todas, é quando se mente para si mesmo, direcionando mais o foco, quando você mente para seu coração.
Talvez com a finalidade de sincronizar o cérebro com o músculo que nunca para, o pensamento com o sentimento. Não existe uma formula para que a mentira em nós mesmos doa menos, pois o que se ameniza agora se sente em dobro depois.
De fato, quando pensamos em qualquer assunto que envolva um assunto que causa “polemica”, se não se assegurar de sua realidade e do assunto em questão mencionado, acaba-se ficando com dores de cabeça, por tentar entender coisas tão simples que não se usa parar para pensar hoje em dia, dizendo que há coisas mais importantes para se preocupar.

Verdade = essa é a nossa mentira de mundo de hoje, e talvez de sempre.
Mentira = não se tem como resumir uma verdade em poucas palavras, quando se quer saber a fundo.

Um comentário:

dimea disse...

Toda mentira tem suas verdades contidas.

Na mentira aplica a verdade que o homem nega de si msm, sua autenticidade.